E-book para leigos


A ideia deste post é apresentar um pequeno glossário com informações sobre e-books para leigos, para aqueles que não estão familiarizados com seu uso e até apresentam alguma resistência com o formato.

E-books no Brasil:

O e-reader da Amazon (que ainda pode ser considerado como um dos melhores dispositivos dedicados à leitura) já tem quase 10 anos de existência, mas quem chegou para venda direta aqui no Brasil primeiro (através de uma parceria com a Livraria Cultura) foi o aparelho de um concorrente, o Kobo.

Mesmo depois de tantos anos, ainda é gigantesco o número de leitores que sabe muito pouco sobre como obter e ler conteúdo nesse formato. Esse pequeno “ABC do e-book” pretende esclarecer um pouco das dúvidas de iniciantes, leitores que ainda não tem intimidade com os e-books.

A leitura em dispositivos dedicados exclusivamente a essa função entre os leitores brasileiros (que são poucos) não é expressiva e talvez nunca chegue a ser, pois os tablets são muito populares, além de um somatório de fatores que contribuem para esta realidade. É bastante provável que boa parte dos seus amigos e conhecidos não tenha uma ideia clara sobre as diferenças entre tablet e e-reader e só consiga associar o termo e-book aos PDF’s. Por isso, deixo aqui um resumo (nada original, admito),com informações muito básicas para aqueles que não tem nenhuma intimidade com o universo dos e-books.

O que é um e-book?

Também conhecido como livro eletrônico, os e-books são versões digitais de livros, que podem ser lidos em computadores ou em dispositivos portáteis de leitura chamados e-Readers (eReaders). No Brasil, os tablets tem sido associados à leitura de e-books até com mais ênfase do que os aparelhos dedicados exclusivamente a esse fim.

O que é o formato de um e-book?

Existem diferentes tipos de arquivo utilizados para disponibilização dos e-books. Cada um com suas vantagens e suas limitações. Os mais comuns à venda atualmente são o ePub e o PDF e, para quem compra na Amazon, o Mobi. Veja algumas características de cada formato.

ePub

O formato ePub (electronic publication) é um padrão aberto para livros eletrônicos definido pela International Digital Publishing Forum (IDPF). E-books nesse formato ePub possibilitam conteúdo redimensionável, ou seja, a apresentação do texto pode ser otimizada para diversos dispositivos de leitura. Com ele, é possível mudar a fonte, aumentar o corpo de letra, sublinhar frases, consultar uma palavra no dicionário sem abandonar a leitura.

PDF

Já o PDF é um formato de arquivo, desenvolvido pela Adobe Systems, que permite que o documento mantenha a mesma aparência em qualquer dispositivo, porém sem a possibilidade de se auto-ajustar às diferentes dimensões de tela, também não permitem alterar o tamanho da fonte.

Mobi

O mobi é o formato adotado pela Amazon, que fornece o (ainda) lider no ramo de e-readers, o Kindle. Ele possui algumas das funcionalidades do ePub, como a configuração do tamanho da fonte e a consulta a dicionários durante a leitura (o significato e etc aparecem no rodapé do texto).

E um e-reader, é o que mesmo?

Não confunda e-reader com tablet, embora tablets também possam ser utilizados para leitura de e-books em boa parte dos formatos disponíveis, trata-se por e-reader o apararelho concebido especificamente para leitura de e-books, sendo que os melhores utilizam a tecnologia e-ink, ou seja, uma tela que “imita” a impressão em papel, sem emitir qualquer luz (inclusive não pode ser lida no escuro sem auxílio de uma lâmpada, mesmo que seja uma daquelas belezinhas práticas de led).

Onde se compra e como se transfere e-books para dispositivos de leitura?

O objetivo deste espaço não é a publicidade e sim a informação, baseada, claro, na minha própria experiência. Há vários sites de livrarias que vendem e-books (Cultura / Kobo, Saraiva e Amazon são as principais que me ocorrem) no Brasil. Para quem tem um cartão de crédito internacional, pode se fartar com a iBookstore, Smashwords e outras, especialmente se houver possibilidade de leitura em outras línguas.

Os formatos disponibilizados variam e são determinados pelas editoras. Existem também obras disponibilizadas de modo gratuito por iniciativas como o Projeto GuttembergDomínio Público além dos muitos autores dispostos a distribuir seus escritos gratuitamente.

O preço, em geral, fica na faixa de 30% abaixo do valor das versões impressas, o que pode ser considerado inaceitável por muitos leitores não acostumados ao e-book, mas eu posso testemunhar que a relação custo-benefício pode ser muito boa para quem tem um e-reader e pode transportar muitos títulos (até 1.500 no caso do modelo de Kindle que possuo) sem sobrecarregar sua coluna.

E o tal DRM?

Digital Rights Management ou gerenciamento de diretos digitais, é um sistema de proteção anticópias ou controle de acesso às publicações digitais que normalmente é aplicado aos arquivos dos e-books por quem os edita e/ou comercializa. Esse dispositivo faz com que o comprador de um e-book possa utilizar o arquivo num número limitado de dispositivos de leitura (em geral, 6 dispositivos, por exemplo: 1 desktop, 1 notebook, 2 e-readers e 2 tablets), e sempre atrelados a um cadastro no seu nome, ou seja, não é possível transferir o arquivo para outros usuários se ele possui DRM.

Quer saber mais sobre e-books, e-readers e outros aspectos dessa nova via de publicação?? Comente com sua pergunta ou envie um e-mail para contato@saibapublicar.com.br.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *